Início » Matheus Herdy e Tainá Hinckel vencem o Costão Pro e os títulos catarinenses profissionais de 2021

Matheus Herdy e Tainá Hinckel vencem o Costão Pro e os títulos catarinenses profissionais de 2021

por fecasurf
0 comente
Header
Domingo, 13 de Março de 2022

Matheus ganhou o título na final com Santiago Muniz e o de primeira campeã catarinense profissional da história foi decidido na semifinal contra Laura Raupp

Podio Masculino (Marcio David / Fecasurf)
Podio Masculino (Marcio David / Fecasurf)

Podio Masculino
(Marcio David / Fecasurf)

Podio Feminino (Marcio David / Fecasurf)

Podio Feminino
(Marcio David / Fecasurf)

Mateus Herdy (SC) (Marcio David / Fecasurf)

Mateus Herdy (SC)
(Marcio David / Fecasurf)

Taina Hinckel (SC) (Marcio David / Fecasurf)

Taina Hinckel (SC)
(Marcio David / Fecasurf)

Santiago Muniz (SC) (Marcio David / Fecasurf)

Santiago Muniz (SC)
(Marcio David / Fecasurf)

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR MAIS FOTOS DO DOMINGO

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR OS VIDEOS HIGHLIGHTS DE CADA DIA

Matheus Herdy e Tainá Hinckel venceram o Costão Pro apresentado pela FECASURF e festejaram os títulos catarinenses profissionais de 2021. O de primeira campeã catarinense profissional da história, foi decidido na semifinal contra Laura Raupp. Já o campeão foi definido na final com Santiago Muniz, que fechou o domingo de boas ondas na Praia do Santinho. A final feminina foi contra a peruana Arena Rodriguez Vargas. Este evento também valeu como a primeira das cinco etapas do Circuito Profissional de 2022 da Federação Catarinense de Surf, com Matheus Herdy e Tainá Hinckel já largando na frente na corrida pelos bicampeonatos.

“O primeiro campeonato catarinense amador que eu ganhei foi aqui, agora venci o meu primeiro profissional, então nunca perdi aqui na Praia do Santinho (risos)”, disse Matheus Herdy, logo após se sagrar campeão catarinense profissional de 2021. “Fazia tempo que eu não competia nessa condição assim de hoje, com vento sul. Tinha vários caras dando aéreos, o Santi (Santiago Muniz) quebrou o campeonato inteiro, mas ainda bem que eu esperei e veio aquela onda boa que tirei um 9,0. Nossa, estou muito feliz, é muito bom ganhar”.

A final masculina começou com Matheus Herdy surfando a primeira onda, uma direita que valeu nota 6,25. Santiago Muniz chegou a passar a frente com nota 7,00, numa esquerda detonada por uma série de três manobras de backside. Matheus passa a arriscar os aéreos e acerta um, que recebe 6,20 para retomar a ponta. Depois, veio uma calmaria e só nos minutos finais entrou uma direita da série, abrindo a parede para Matheus atacar forte, com duas manobras potentes que arrancaram nota 9,00 dos juízes. Ela sacramentou a vitória no Costão Pro apresentado pela FECASURF e o título catarinense de 2021, por 15,25 a 11,75 pontos.

“Eu cresci aqui em Floripa e todo campeão catarinense eu sempre admirava, tipo o Tiago Bianchini (campeão em 2011), o Tomas Hermes (bicampeão em 2010 e 2013), então sempre achei um título muito sinistro”, destacou Matheus Herdy. “A galera aqui em Santa Catarina é muito surfe, o Circuito Catarinense é um dos melhores do Brasil e era um título que eu nem esperava que poderia conseguir, pois já fui competir no QS né. Mas, cara, que bom ter conseguido esse título, estou muito feliz por ser campeão catarinense”.

Apesar de não ter conseguido o título que também desejava, Santiago Muniz fez grandes apresentações na Praia do Santinho, especialmente no domingo, quando mostrou a potência do seu frontside conseguindo notas excelentes a cada bateria que disputou. Em uma delas, barrou o ex-top do CT, Michael Rodrigues. E na semifinal, derrotou outro forte concorrente ao título do Costão Pro, José Francisco, que vinha se destacando com seus aéreos. Santiago terminou como vice-campeão catarinense de 2021 e começa em segundo lugar na corrida pelo título catarinense profissional de 2022.

“Na final, o vento apertou e não deu muitas ondas, mas foi bem massa decidir o título com o Matheus. A gente se conhece há bastante tempo e nós dois tivemos chances de surfar e fazer boas notas, então vamos pra próxima”, disse Santiago Muniz. “De qualquer forma, estou muito feliz em estar competindo no Circuito Catarinense de novo. Parabéns aos patrocinadores, a FECASURF e todos os atletas estão muito felizes de competir aqui em Santa Catarina. Veio gente do Brasil todo, até da Argentina, Peru, Chile, então estão todos agradecidos por esta etapa e vamos em frente, porque foi só a primeira do ano né”.

DECISÃO FEMININA – Na decisão feminina, também não entraram muitas ondas na bateria de 25 minutos de duração. A recém-coroada campeã catarinense profissional de 2021, Tainá Hinckel, começou na frente, só que a peruana Arena Rodriguez Vargas chegou a assumir a liderança nos minutos finais. Mas, ainda teve tempo da surfista da Guarda do Embaú surfar duas ondas boas, para aumentar suas notas e ganhar o Costão Pro apresentado pela FECASURF. Com a vitória, ela larga na frente do ranking estadual de 2022 com 1.000 pontos.

Enquanto o título catarinense masculino só foi definido na grande final, o de primeira campeã catarinense profissional da história foi decidido nas semifinais. Isso porque a peruana Arena Rodriguez Vargas ganhou a primeira vaga para a final da cearense Juliana Santos e as duas últimas catarinenses se enfrentaram na segunda bateria, Tainá Hinckel e Laura Raupp.

A mais experiente, Tainá Hinckel, de 18 anos e campeã sul-americana Pro Junior Sub-18 da WSL Latin America em 2016 e 2019, fez a sua melhor apresentação na Praia do Santinho. Aproveitou as ondas que surfou no início e dominou toda a bateria, com as notas 7,50 e 6,00 que recebeu. A jovem Laura Raupp, que com apenas 15 anos de idade foi campeã da primeira etapa do circuito mundial WSL Qualifying Series que disputou, em novembro do ano passado na Praia Mole, não conseguiu repetir as boas atuações das baterias anteriores.

TÍTULO INÉDITO – Laurinha não fez uma boa escolha de ondas e acabou errando as manobras mais potentes que arriscou. Por outro lado, Tainá fez uma bateria perfeita, atacando muito forte tanto de frontside nas direitas do Santinho, como de backside com batidas verticais nas esquerdas. Ela ainda tirou uma nota 7,00 e uma 7,90 na última, para garantir o inédito título catarinense profissional de 2021, por uma larga vantagem de 15,40 a 9,60 pontos.

“Estou muito feliz em estar de volta aqui no Santinho, que é um lugar especial e amarradona por ter sido a primeira campeã catarinense profissional”, disse Tainá Hinckel. “Eu venho representando meu estado desde, sei lá, meus 6 anos de idade, então poder estar vencendo esse primeiro título profissional é muito importante pra mim. A Laura Raupp é uma menina da nova geração, como eu, que tá quebrando tudo e é isso, o surfe feminino catarinense está vindo muito forte e estou amarradona em ter feito essa bateria com ela”.

Tainá Hinckel também elogiou a iniciativa da FECASURF, em incluir a categoria feminina no Circuito Catarinense Profissional a partir deste ano: “Com certeza, a FECASURF fez um evento muito legal e é maravilhoso incluir as meninas também, que estão correndo atrás dos seus sonhos, principalmente as catarinenses por ter esse circuito aqui no nosso estado. Vieram várias surfistas de outros lugares também para competir, de outros estados e até de outros países, comprovando assim a importância dessa iniciativa da FECASURF”.

Laura Raupp terminou empatada em terceiro lugar no Costão Pro apresentado pela FECASURF com a cearense Juliana Santos, derrotada pela peruana Arena Rodriguez Vargas na primeira semifinal. As duas vinham se destacando nas boas ondas do domingo na Praia do Santinho e Laurinha começa em segundo lugar no ranking catarinense profissional de 2022. No ano passado, ela venceu dois títulos estaduais amadores da FECASURF, nas categorias Sub-16 e Sub-18 e agora é vice-campeã profissional de 2021 também.

“Eu acabei não achando as ondas na bateria com a Tainá, mas estou superfeliz com o meu desempenho no campeonato”, disse Laura Raupp. “Agora é seguir treinando bastante e ir com tudo nos próximos eventos. Eu não consegui o título, mas vou continuar treinando para tentar um bom resultado no próximo campeonato”.

A Federação Catarinense de Surf ainda vai anunciar o local da segunda das cinco etapas do Circuito Catarinense Profissional de 2021. O Costão Pro apresentado pela FECASURF foi realizado com patrocínio do Costão do Santinho Resort, Brasil Atacadista, Silverbay, Surfist e apoio da Fundação Municipal de Esportes e da Prefeitura de Florianópolis, através da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, além da ABRASP (Associação Brasileira de Surf Profissional) e ASIS (Associação de Surf Ingleses e Santinho). Todos os resultados, fotos e vídeos podem ser acessados no www.fecasurf.com.br.

———————————————————–

João Carvalho – JBC Notícias e Assessoria

(48) 999-882-986 – jbcsurfnews@hotmail.com

Assessoria de Imprensa do Costão Pro 2022

———————————————————–

RESULTADOS DO DOMINGO NO COSTÃO PRO:

DECISÃO DO TÍTULO CATARINENSE DE 2021:

Campeão: Matheus Herdy (SC) por 15,25 pontos (9,00+6,25) – R$ 5.250 de prêmio

Vice-campeão: Santiago Muniz (SC) com 11,75 pontos (7,00+4,75) – R$ 2.750

SEMIFINAIS – 3.o lugar com R$ 2.000 de prêmio:

1.a: Matheus Herdy (SC) 13,10 x 11,55 Lucas Vicente (SC)

2.a: Santiago Muniz (SC) 14,15 x 10,60 José Francisco (PB)

QUINTA FASE – 3.o=5.o lugar com R$ 1.200 e 4.o=7.o lugar com R$ 800:

1.a: 1-Matheus Herdy (SC), 2-José Francisco (PB), 3-Pedro Dib (SP), 4-Jihad Khodr (PR)

2.a: 1-Santiago Muniz (SC), 2-Lucas Vicente (SC), 3-Michael Rodrigues (CE), 4-José Gundesen (ARG)

QUARTA FASE – 3.o=9.o lugar com R$ 550 e 4.o=13.o lugar com R$ 450:

1.a: 1-Matheus Herdy (SC), 2-Lucas Vicente (SC), 3-Edson de Prá (PR), 4-Kainan Meira (PR)

2.a: 1-Michael Rodrigues (SC), 2-José Francisco (PB), 3-Walley Guimarães (SC), 4-Wallace Vasco (SC)

3.a: 1-Jihad Khodr (PR), 2-José Gundesen (ARG), 3-Messias Felix (CE), 4-Willian Cardoso (SC)

4.a: 1-Santiago Muniz (SC), 2-Pedro Dib (SP), 3-Yage Araujo (BA), 4-Marcio Farney (CE)

FINAL FEMININA DO COSTÃO PRO:

Campeã: Tainá Hinckel (SC) por 9,80 pontos (5,00+4,80) – R$ 3.000 de prêmio

Vice-campeã: Arena Rodriguez (PER) com 9,65 pts (5,50+4,15) – R$ 2.000

SEMIFINAIS – 3.o lugar com R$ 1.250 de prêmio:

1.a: Arena Rodriguez Vargas (PER) 12,10 x 11,10 Juliana Santos (CE)

2.a: Tainá Hinckel (SC) 15,40 x 9,60 Laura Raupp (SC)

TERCEIRA FASE – 3.a=5.o lugar com R$ 750 e 4.a=7.o lugar com R$ 500:

1.a: 1-Juliana Santos (CE), 2-Tainá Hinckel (SC), 3-Maya Carpinelli (SC), 4-Juliana Quint (SC)

2.a: 1-Laura Raupp (SC), 2-Arena Rodriguez (PER), 3-Kiany Hyakutake (SC), 4-Luara Mandelli (PR)

SEGUNDA FASE – 3.a=9.o lugar e 4.a=13.o lugar:

1.a: 1-Tainá Hinckel (SC), 2-Luara Mandelli (PR), 3-Yasmin Dias (SC), 4-Isabela Saldanha (SP)

2.a: 1-Arena Rodriguez (PER), 2-Maya Carpinelli (SC), 3-Gabriely Vasques (PR), 4-Isabelle Nalu (SC)

3.a: 1-Juliana Santos (CE), 2-Kiany Hyakutake (SC), 3-Potira Castaman (BA), 4-Susã Leal (SC)

4.a: 1-Laura Raupp (SC), 2-Juliana Quint (SC), 3-Kalea Gervasi (PER), 4-Ana Gonzalez (MEX)

CAMPEÕES CATARINENSES PROFISSIONAIS DA FECASURF: desde 1980

2021: Matheus Herdy (SC) e Tainá Hinckel (SC)

2020: Ian Gouveia (PE) em 1 etapa virtual pela internet

2019: Luan Wood (SC)

2018: Uriel Sposaro (SC)

2017: Caetano Vargas (PR) bicampeão

2016: Caetano Vargas (PR)

2015: André Moi (SC)

2014: Marco Giorgi (URU)

2013: Tomas Hermes (SC) bicampeão

2012: Yuri Gonçalves (SC)

2011: Tiago Bianchini (SC)

2010: Tomas Hermes (SC)

2009: Tânio Barreto (AL)

2008: Marco Polo (SC) bicampeão

2007: Marco Polo (SC)

2006: Diego Rosa (SC) bicampeão

2005: Jean da Silva (SC)

2004: Diego Rosa (SC)

2003: Raphael Becker (SC)

2002: Neco Padaratz (SC)

2001: Fabio Carvalho (SC) bicampeão

2000: James Santos (SC) bicampeão

1999: Guga Arruda (SC) bicampeão

1998: Teco Padaratz (SC)

1997: Luli Pereira (SC)

1996: James Santos (SC)

1995: Guga Arruda (SC)

1994: Junior Maciel (SC)

1993: Fabio Carvalho (SC)

1992: Carlos Santos (SC)

1991: não houve circuito

1990: Saulo Lyra (SC)

1989: Ivan Junkes (SC) bicampeão

1988: Icaro Cavalheiro (SC)

1987: Ivan Junkes (SC)

1986: Luiz Neguinho (SC)

1985: Waldemar “Bilo” Wetter (SC)

1984: David Husadel (SC) tricampeão

1983: David Husadel (SC) bicampeão

1982: David Husadel (SC)

1981: Bita Pereira (SC)

1980: Roberto Lima (SC)

VOCÊ PODE GOSTAR

Deixe um comentário

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00